O homem que lhe conseguia não só despir as roupas, mas também a alma

Por umas horas, numa noite fria de Outono, ele desejou tudo.
Cosmopolitan, era o que ela bebia. Sentada ao balcão, no vestido justo e vermelho que tinha comprado há três semanas para aquela saída de amigas, qualquer homem naquele bar reparou nela. O cabelo castanho-escuro alisado há umas horas caía-lhe nas costas de maneira perfeita, a maquilhagem que lhe sobressaía os olhos castanhos revelava uma saída de mulheres sem necessidade de engatar. Tinha uns Louboutin pretos, altíssimos. Aquilo devia incomodar ao andar, pensou ele, mas ao olhar para o sorriso dela nem pensou mais nisso.
Naquela sexta-feira à noite, no melhor bar da avenida, ela era a mulher da vida dele. Aliás, era, provavelmente, a mulher da vida de todos os homens heterossexuais naquele bar. Transpirava confiança e serenidade, duas das características preferidas dele numa mulher. 
Ainda pensou em ir ao balcão e até meter conversa, quem sabe. Mas decidiu ficar sentado no sofá com o gelo a derreter no seu Jack Daniel's. Durante horas, naquele mesmo sítio, fantasiou com ela. Desejou ser ele o homem que esperava por ela ao fim de um dia de trabalho. O homem que a seduzia só com o olhar ou com o tirar da camisola, porque ela era louca pelo seu corpo. O homem que com um piscar de olhos a faria entrar na banheira com ele. O homem que sabia e ia respeitá-la em qualquer momento. O homem que lhe conseguia não só despir as roupas, mas também a alma. O homem a quem ela dava tudo de si. O único homem a quem ela dava tudo de si.
E o único homem que era capaz de lhe dar tudo o que ela sempre sonhou.
Mas, hoje, ele não era aquele homem.
Ele era o homem que ia voltar para casa, tomar um duche rápido e entrar na cama fria.
E voltar a sonhar com ela.