Daquelas que gostam de gostar dos que não gostam de volta


O que é suposto fazer quando a pessoa que tanto te faz chorar é a única que te pode ajudar? Dói muito gostar de alguém que sei que nunca poderei ter… E pior que isso, é conversar todos os dias com essa pessoa e não poder demonstrar o que realmente sinto. A cada segundo que estou perto de ti, tenho que controlar minha respiração, os meus batimentos cardíacos, o meu estômago que parece estar com borboletas dentro dele… Eu preciso de me controlar para não te olhar nos olhos por muito tempo, com medo de que isso seja o suficiente para perceberes e me evitares. A pior forma de sentir a falta de alguém é estar sentado ao seu lado e saber que nunca a terá. E um pedaço de mim morre, um dia de cada vez. Porque parece que não consigo tirar-te da minha cabeça. Não importa o quanto eu tente. Cada vez que ponho os pés no chão e começo a aceitar que nunca serás meu, que vais ter outra pessoa... Vejo-te sorrir. E tu estragas tudo. Só eu sei o quanto eu queria poder-te abraçar, poder-te beijar, poder-te ver, poder-te tocar, chorar no teu ombro, rir até às três da manhã, ver filmes agarrada a ti, sussurrar-te no ouvido: “Tenho comigo toda a sorte do mundo”, viajar contigo, conversar contigo até não poder mais, andar de mãos dadas contigo, conhecer os teus amigos, conhecer a tua família, morar contigo, dormir na mesma cama que tu dormes… Pois, mas tudo isto não passa de um sonho do que nunca poderei realizar contigo. Querer alguém que não te quer é como tentar voar com uma asa partida. Aparentemente, sou daquelas que gostam de gostar dos que não gostam de volta. Aparentemente, gosto de sofrer por quem pouco mais sabe senão o meu nome. Mas eu sei que, quando menos esperar, voltarei a sorrir, a viver a minha vida sem limitações, tudo fará sentido, e me vou apaixonar por alguém errado, outra vez.